Bruno Marinho de Sousa

Em outro texto do blog apontei as diferenças e semelhanças entre Coaching e Psicoterapia. A principal diferença era que a Terapia focava em melhorar quem estava com problemas, não trabalhando aspectos positivos e melhoria de Qualidade de Vida.

Resultado de imagem para coaching + psychologyJá o Coaching é um processo que auxilia você a desenvolver e/ou melhorar habilidades, competências, capacidades, ampliar o conhecimento e etc. Ele possibilita o seu Desenvolvimento Pessoal, com foco na Qualidade de Vida. Dessa forma, o Coaching (que não é uma área ou abordagem da Psicologia) foge um pouco da visão tradicional do Psicólogo que geralmente trabalha com problemas, pois permite que a pessoa busque se desenvolver.

Em 2016 o Conselho Federal de Psicologia – CFP lançou uma nota sobre Coach e Psicologia. Essa nota ficou bastante superficial sobre essa discussão. Por exemplo, O CFP entendeu que escola de formação de Coaches, Sociedade Brasileira de Coaching, é uma instituição como a Sociedade Brasileira de Psicologia

O Coaching (processo) trabalha o comportamento humano, então é perfeitamente aceitável que o Psicólogo atue nisso. A profissão de psicanalista também não é reconhecida, é entendida como uma ocupação. Mas o CFP não emite nota alguma contra isso. Dúvida? Leia mais aqui:

O que existe é uma falta de discussão fundamentada do CFP sobre como o psicólogo pode trabalhar com Coaching. E, principalmente, uma falta de visão sobre as possibilidades que o Psicólogo tem sobre esse campo de atuação. O mercado de Coaching, em 2009, foi estimado em US$ 1,5 bilhões (nos Estados Unidos). E, ainda, 93% das 100 maiores empresas de lá contrataram serviços de Coaching.

Então em vez de limitar os psicólogos, o CFP deveria estabelecer critérios para o trabalho do psicólogo como Coaching, por exemplo:

  • estabelecendo um nome diferente: Coaching Psicológico;
  • definir o que seria isso (atribuições, limites do trabalho, etc.);
  • Cursos de Formação reconhecidos pelo CFP;
  • Formas de divulgação do trabalho;
  • Transformar isso em uma especialização e etc.

Mas o CFP vai na contramão e limita ainda mais a atuação do Psicólogo no Brasil. O serviço de Coching. Essa minha opinião também é compartilhada pelo Conselho Regional de Psicologia do Paraná, em que aponta:

“Simplesmente desconsiderar o avanço científico e o reconhecimento da sociedade das estratégias e benefícios do coaching alegando que não se trata de um método vinculado aos princípios, procedimentos, métodos e técnicas da Psicologia é contribuir para a desregulamentação da profissão e desconsiderar a preparação da(o) Psicóloga(o) para trabalhar com o comportamento humano.”

E quando um psicólogo tenta trabalhar com Coaching e Psicologia ele é advertido ou punido (por esse texto e o anterior vocês podem perceber que é extremamente viável se trabalhar com isso). A alegação é que “o(a) Psicólogo(a) deve buscar o embasamento científico das técnicas e procedimentos utilizados e verificar a validação científica das mesmas.”

Muito legal, não? Mas quando você vai atrás de uma possível lista de técnicas e procedimentos possíveis para que nós psicólogos possamos usar, nos deparamos com isso:

“1) Existe uma lista de técnicas reconhecidas pelo CFP?
O Código de Ética Profissional do Psicólogo (Resolução CFP Nº 10/2005) cita, em alguns de seus artigos, que o psicólogo não pode utilizar técnicas não regulamentadas ou reconhecidas pela profissão.

Esclarecemos, no entanto, que não há uma lista de técnicas/práticas reconhecidas pelo Sistema Conselhos de Psicologia. Assim, quando falamos em práticas reconhecidas, nos referimos ao reconhecimento advindo da ciência, que é desenvolvido na academia e por meio de pesquisas.

[..]a partir do momento em que uma técnica desenvolvida pela ciência passa a compor o repertório profissional dos psicólogos, ela passa também a ser objeto de orientação e fiscalização do Sistema Conselhos de Psicologia.

Ou seja, eles fiscalizam algo que não tem um parâmetro a ser seguido porque “não há uma lista de técnicas/práticas reconhecidas pelo Sistema Conselhos de Psicologia”  (grifos meus). Mas o interessante é que existe uma tese (doutorado) que associa Coaching e Psicologia. Uma tese de doutorado é um trabalho científico.

O título da tese é “Coaching Analítico-Comportamental: Estudos sobre a efetividade de Coaching feito por um analista do comportamento“, desenvolvida pelo professor Dr. Nicomedes Borges. Essa tese é de 2015 e aponta:

“Esta tese teve como propósito geral aproximar esta prática aplicada, o coaching, e este campo do saber, a Análise do Comportamento, defendendo que ambos têm a ganhar com esta aproximação” p. 176).
“Os resultados indicaram evidencias positivas para todos os objetivos, ou seja, que o coaching feito por um analista do comportamento foi efetivo para ambos os objetivos, promover ‘engajamento para a aposentadoria’ e ‘autonomia de pensamento’. Além disso, os resultados sugerem que a ‘To do’ é uma técnica/ferramenta útil para evocação de comportamentos que indicam comprometimento com os objetivos” (p. 177).

Essa tese foi realizada na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), no Programa de Psicologia Experimental: Análise do Comportamento. Mas o CFP ignora isso, pois sua “nota” é de 2016, posterior a tese. E não considera uma tese como base científica para a mudança em relação ao Coaching.

Negative Thinking, Positive Thinking

Por que a Psicologia trabalha com foco em problemas e não em melhorias?
Um dos motivos é histórico, conforme apontei no texto Psicologia tem relação com Coaching? E Nicomedes aponta, em sua tese, que a Psicologia geralmente é baseada na Teoria da Maçã Ruim (“Theory of Bad Apple”), com foco em resolver problemas e não promover a saúde. Mas há uma corrente que busca uma prática de melhoria constante, não apenas resolver problemas psicológicos, é a Teoria do Aperfeiçoamento Contínuo (“Theory of Continuous Improvement”).

Se quiser entender melhor esse debate, leia essa entrevista com o professor Dr. Nicomedes Borges, para o site Comporte-se ou então sua tese de doutorado.

Entendem a confusão? Uma tese é trabalho científico, pautado em métodos científicos. Entretanto o CFP não reconhece o Coaching para os psicólogos.

Então, por que as psicólogas e os psicólogos não podem usar Coaching?
Porque não há um debate profundo sobre essa questão. Dessa forma, nós psicólogos não podemos nos valer de nossa formação e do nosso embasamento científico para atuar nesse mercado. Pelo menos não nos apresentando como psicólogos.

O Coaching Psicológico, ao contrário da visão do CFP, e a favor da visão da Psicologia Positiva e do CRP do Paraná, serve para desenvolver habilidades e competências, melhorar o bem estar e a qualidade de vida. Tudo isso tem a ver com a Psicologia e se vale de seus pressupostos teóricos e ferramentas. Nada além disso.


Leia mais:

Imagens: Coaching (Google Imagens), Negative Thinking, Positive Thinking (ShutterStock)

2 comentários em “Por que Psicólogos não podem usar o Coaching?

  1. Psicólogo trabalha com problemas, enquanto o coach trabalha com motivação, desenvolvimento pessoal, etc… Oi?? Nunca li tanta besteira!!
    Me parece que vc não entende muito bem das práticas psicológicas, para fazer uma afirmação dessa.

    Curtir

    1. Olá Lohana,
      Muito obrigado por ter visitado o site, lido e comentado. No texto eu justamente concordo com você, por isso não entendi seu ataque à minha capacidade de entender as práticas psicológicas. Como o foco do texto era a visão do CRP e a visão tradicional, talvez você tenha entendido que era a minha. Em vários pontos assinalo o nosso ponto em comum. Por exemplo:
      – “A principal diferença era que a Terapia focava em melhorar quem estava com problemas, não trabalhando aspectos positivos e melhoria de Qualidade de Vida.” O tempo verbal está no passado (“era”) justamente par mostrar que a visão tradicional da Psicologia era essa. Caso não entenda do que estou falando, você pode ler o texto que indico ou os artigos do Martin Seligman sobre a mudança de paradigma da Psicologia.
      – “…o Coaching (que não é uma área ou abordagem da Psicologia) foge um pouco da visão tradicional do Psicólogo que geralmente trabalha com problemas, pois permite que a pessoa busque se desenvolver.” Aqui falo de visão tradicional do Psicólogo no imaginário popular, muito baseado no modelo médico. Caso queira ler mais, indico esses dois artigos para começar: Como as pessoas percebem os Psicólogos e Avaliação dos contextos de atuação, atribuições e mercado profissional: opinião da população sobre a Psicologia e o Psicólogo
      – “..que a Psicologia geralmente é baseada na Teoria da Maçã Ruim (“Theory of Bad Apple”), com foco em resolver problemas e não promover a saúde. Mas há uma corrente que busca uma prática de melhoria constante, não apenas resolver problemas psicológicos, é a Teoria do Aperfeiçoamento Contínuo (“Theory of Continuous Improvement”).” Novamente enfatizo a visão tradicional com foco em problemas, que não é invenção minha, bastando buscar as fontes citadas.
      – “…serve para desenvolver habilidades e competências, melhorar o bem estar e a qualidade de vida. Tudo isso tem a ver com a Psicologia e se vale de seus pressupostos teóricos e ferramentas” No último parágrafo do meu texto eu deixo bem claro que a Psicologia promove sim o que você alega que eu não entendo.

      Novamente agradeço sua visita, leitura e comentário. Isso é muito importante para quem produz conteúdo na internet e nos ajuda a crescer.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s