Aprendizagem – associando estímulos

Bruno Marinho de Sousa

  • Ao sentir um cheiro de comida gostosa você saliva?
  • Quando vê uma barata andando na sua direção, você se assusta?
  • Tem controle sobre isso?

Esse texto faz parte de uma série sobre conceitos básicos em Psicologia. Aqui vou explicar para você um dos fundamentais em Psicologia: Condicionamento Respondente.

Você já viu em filmes e séries os médicos batendo um martelinho no joelho do paciente e ele levantando a perna? Ou, se tem contato com bebês, já encostou seu dedo na mão deles e observou como o agarram com força? Ou, já reparou que sua boca saliva quando sente um cheiro daquela comida que você gosta?

reflexo-inato2Nós temos algumas reações comportamentais (repostas) que não precisamos aprender, já as temos “prontas” desde o nascimento, são os chamados reflexos inatos. O Reflexo Inato é uma relação em que uma mudança no ambiente provoca (elicia) uma resposta automática no seu corpo. Você não tem que pensar para emitir e/ou controlar a resposta.

ivan_pavlov_nlm3O conceito que vamos trabalhar nesse texto tem relação direta com o Reflexo Inato. No começo do século XX, um russo chamado Ivan Pavlov e sua equipe de pesquisadores estudavam o reflexo salivar em cães. Os pesquisadores apresentavam carne (ou pó de carne) para os animais que possuíam uma cânula conectada na boca, com o objetivo de coletar e medir a saliva.

O experimento funcionava assim: um pesquisador entrava na sala onde os cães estavam e apresentavam a carne (ou pó de carne), então a saliva do animal era coletada e medida. Mas Pavlov e sua equipe perceberam que algo inusitado acontecia com a repetição do experimento. Em determinado momento notaram que a simples entrada do pesquisador, sem carne, também produzia saliva, mas numa quantidade menor.

Intrigados com isso, eles elaboraram o experimento que está exemplificado na figura a seguir. Primeiro eles fizeram várias repetições da apresentação da carne para o animal e, claro, ele salivava. Num segundo momento, tocavam uma sineta, que era um estímulo neutro – não produzia resposta.  Claro, o animal não salivava. Vamos chamar essa fase de “antes do condicionamento” (associação de estímulos).

Mas agora vem a engenhosidade do experimento, os pesquisadores começaram a apresentar o barulho da sineta associado/emparelhado com a carne por várias vezes (mais de 20). Agora, já conseguiram imaginar o próximo passo?

Depois de várias repetições eles apresentaram apenas a sineta e…o cão salivava!! Essa fase é onde se deu o condicionamento (o animal associou os estímulos). É onde o estímulo neutro se torna “condicionado”, passa a produzir uma resposta semelhante ao outro estímulo.

Experimento Pavlov

Esse tipo de aprendizagem se dá por associação (barulho da sineta e apresentação da carne) e precisa de uma ordem temporal: os estímulos não podem estar distantes no tempo. A aprendizagem estudada por Pavlov pode receber os seguintes nomes: condicionamento respondente, pavloviano (em homenagem a ele) ou clássico.

Recapitulando, por condicionamento (associação de estímulos) podemos emparelhar um estímulo neutro a uma resposta automática (semelhante a um reflexo inato), criando uma aprendizagem!

Esse tipo de estudo é denominado de pesquisa básica, pois busca apenas entender um fenômeno. Mas a pesquisa básica é essencial para entendermos o comportamento humano. Vamos ver como a saliva dos cães tem a ver com você?

Você era criança, viu um inseto preto (meio amarronzado) no chão e resolveu brincar com ele, segurando na mão, sentindo as patinhas dele tocando sua pele, sentindo e olhando suas anteninhas, viu que tinha asas…Estava ali, matando sua curiosidade sobre o mundo, com um estímulo neutro, sem problema, era apenas mais uma coisa que você viu e ia colocar na boca para saber o gosto. De repente, algum adulto te vê com esse inseto na mão, já levando para a boca e grita bem alto:

Tira esse bicho nojento da mão!! E você recebe um tapa na mão para largá-lo.

Você se assusta – resposta emocional, e o que acha que vai acontecer na próxima vez que ver uma barata?
Sim, você será igual aos cães do Pavlov. A barata, antes um estímulo neutro no seu ambiente passou a ser associado com o susto (condicionamento), com a resposta emocional. Então você pode passar a ter “medo” de barata (eliciar uma resposta emocional quando ver o estímulo).

Claro que isso é uma simplificação grosseira. Mas esse processo está na base de muitos dos nossos medos e fobias, além de explicarem várias de nossas respostas emocionais. Pense em alguém que conhece e tem medo de cães. Esse medo não nasceu com a pessoa. E, mais ainda, ela deve ter tido uma experiência ruim com uma raça de cão e passou a temer várias raças. O nome desse processo é generalização, em que se passa a ter um mesmo tipo de resposta a estímulos que se assemelham ao inicial.

generalizacao

Na Terapia Comportamental e na Terapia Cognitivo-Comportamental os pesquisadores se baseiam na teoria e na pesquisa básica para desenvolver técnicas para serem utilizadas na Psicologia Clínica.

Vamos ver como isso funciona com medo de cães. Ao estudar o Condicionamento Respondente entendemos como funciona o medo de cães (pesquisa básica + teoria). A partir disso foram desenvolvidas diferentes técnicas para desassociar (ou desemparelhar) a resposta emocional que está associada a um estímulo condicionado, que antes era neutro. Uma delas é a Dessensibilização Sistemática.

Após avaliar e entender o histórico dos problemas, formulamos uma “miniteoria” sobre o seu funcionamento e, juntos, elaboramos um plano de ação ou de trabalho. A partir disso podemos ir expondo você (cliente) a estímulos que se assemelham aos estímulos que eliciam a resposta emocional que se quer diminuir ou eliminar.

Primeiro você receberá treinamento para controle emocional. Depois utilizaremos estímulos que eliciam respostas mais fracas, até chegar nas mais fortes. Tudo no seu tempo, dentro dos seus limites. A técnica pode ser utilizada com sua imaginação no consultório, ao vivo e até por realidade virtual!.

Além de problemas clínicos, o condicionamento respondente está por trás de muitas das suas travas emocionais cotidianas que te bloqueiam de ir atrás de seus objetivos.


Leia mais em:

Condicionamento Clássico: Pscyhestudy
Paradigma Respondente: Comporte-se
Livro: Princípios Básicos de Análise do Comportamento (link para o primeiro capítulo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s